Mudança do teste do pezinho no SUS deve ser acompanhada de outras medidas


A presidente da Sociedade Brasileira de Triagem Neonatal Erros Inatos do Metabolismo (SBTEIM), Tânia Bachega, defendeu nesta terça-feira (21/6) que a implantação do teste do pezinho ampliado em todo o Brasil precisa levar em conta as especificidades do sistema de saúde em cada região. Além disso, a médica afirma que outras medidas devem ser tomadas em conjunto para melhorar o combate às doenças raras no país.

Neste dia, a especialista participou do C.B. Fórum, organizado pelo Correio Braziliense. O evento discutiu os desafios da ampliação do teste do pezinho para englobar 51 doenças, incluindo doenças raras como a Atrofia Muscular Espinhal (AME). Também participaram da mesa o presidente da Casa Hunter, Antoine Souheil Daher; a coordenadora do Programa de Triagem Neonatal do Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo, Carmela Grindler; e a superintendente-geral do Instituto Jô Clemente, Daniela Mendes.